Três em cada dez jovens brasileiros não fazem controle financeiro, mostram SPC Brasil e CNDL

Editorial – Feliz 2017
3 de Janeiro de 2017
APO é excelente opção de plano odontológico oferecido pela CDL Santos
14 de Janeiro de 2017
Mostrar tudo

chinese man without job

chinese man without job

chinese man without job

Os jovens são uma parte importante da população. Disseminam tendências e influenciam novos comportamentos e padrões de consumo, fazendo a economia rodar e colocar em prática transformações que podem ajudar a melhorar o país. Porém, é preciso entender como esses consumidores cuidam do próprio orçamento e a relação desses brasileiros com a gestão das finanças pessoais. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que três em cada dez jovens (32,2%) não fazem controle sistemático financeiro.

Entre esses jovens, 76,4% garantem fazer o controle de cabeça, percentual que aumenta para 83,2% entre os homens e 79,8% na faixa etária de 18 a 24 anos. De acordo com especialistas, esse controle não deve ser tratado como um meio eficiente de manter a organização das contas por estar sujeito a esquecimentos e erros de cálculo.

Entre os que não fazem um controle efetivo das finanças, as justificativas mais mencionadas são a falta de hábito e disciplina (22,1%) e o fato de não ter um rendimento fixo por mês ou não saber exatamente quanto ganha por mês (17,4%). Segundo o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, conhecer a real situação das próprias contas, despesas e rendimentos é fundamental para que uma pessoa tenha condições de manter o equilíbrio financeiro. “Este é um comportamento que precisa ser cultivado desde cedo, para que possa prosseguir na vida adulta e, assim, gerar impactos verdadeiramente positivos, duradouros e de longo prazo”.

A maioria dos entrevistados, porém, garante fazer um controle financeiro adequado (67,8%), sendo o principal método utilizar um caderno de anotações (32,9%), uma planilha no computador (24,3%) e aplicativos para smartphone (10,6%). A maioria também declara possuir bastante conhecimento em relação ao seu orçamento pessoal, o que inclui tanto a renda quanto as despesas mensais a pagar: 91,4% garantem saber o valor de suas contas básicas, 85,9% sabem o valor das prestações e financiamentos a pagar nos próximos meses e 76,7% sabem qual será a renda total, considerando o salário, recebimento de aluguéis, entre outros.

Valor médio das dívidas atrasadas é de R$ 464
O levantamento mapeou ainda os principais gastos e despesas mensais assumidos pelos jovens. São eles: gastos com alimentação (65,2), TV a cabo e/ou Internet (50,0%), contas de serviços básicos, como água e luz (39,0%) e gastos com telefonia, fixa ou móvel (37,4%). A respeito das contas, as mais mencionadas são de internet (80,1%), água e luz (75,1%), telefone fixo e/ou móvel (68,9%) e as parcelas a pagar no cartão de crédito (63,1%). “Em todos esses casos, constatam-se percentuais mais expressivos na faixa etária de 25 a 30 anos, o que é natural considerando que nesta faixa, muitos já possuem uma renda maior, sendo mais participativos no orçamento da casa ou iniciam uma vida familiar independente”, analisa a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Com relação ao pagamento dos compromissos financeiros mensais, grande parte dos jovens ouvidos consegue mantê-los em dia: 84,2% conseguem pagar as contas na maioria das vezes, sendo que 54,8% garantem ainda haver sobra de dinheiro. Para outros 29,4%, as contas são pagas, mas não sobra nenhum valor na maioria das vezes. Em contrapartida, 10,0% afirmam que nem sempre conseguem pagar as contas e algumas vezes precisam fazer muito esforço para administrar o dinheiro e 5,8% admitem não conseguir pagar as contas.

Dentre os compromissos que estão em atraso, mas não geraram inclusão do nome em instituições de proteção ao crédito, o principal é o empréstimo com familiares ou amigos (21,1%), seguido pelo empréstimo em banco ou financeira (14,0%) e parcelas a pagar no cartão de loja (9,9%). Porém, em alguns casos a negativação em relação a certos compromissos financeiros acabou levando parte dos jovens a ficar com o nome sujo: 25,4% dos que tomaram empréstimo em banco ou financeira ficaram inadimplentes, assim como 23,0% dos que usaram o crediário ou carnê e 22,4% o cheque especial (22,4%).

A pesquisa mostra que o valor médio total das dívidas atrasadas é de R$ 464,20. Porém, as dívidas apresentam valores bastante variados e diretamente relacionados ao bem ou serviço adquirido: as contas de telefone fixo ou celular, por exemplo, possuem valores que correspondem a menos de R$ 100,00; já o financiamento da casa própria ultrapassa R$ 2.900,00.

Para os jovens que possuem contas em atraso, a principal razão apontada para a falta de pagamento é a diminuição da renda (26,1%) seguida pela perda do emprego (26,0%) e problemas de saúde (8,1%). Segundo Vignoli, a justificativa dada para deixar de honrar compromissos sugere que muitos jovens podem estar vivendo fora do padrão mais adequado à sua realidade financeira.

“Provavelmente não estão administrando suas finanças da melhor forma possível. Uma boa organização financeira leva em conta também a realização de uma reserva para emergências, o que em uma situação temporária de diminuição da renda ou perda do emprego, impediria que o consumidor acabasse ficando inadimplente. Portanto, é aconselhável rever os hábitos de consumo e readequar seus gastos”, aconselha o educador financeiro, José Vignoli.

Ainda assim, apesar dos atrasos nas contas, praticamente nove em cada dez jovens ouvidos na pesquisa demonstram uma visão positiva sobre a importância de honrar os compromissos assumidos: 89,1% concordam que ter o nome limpo é um dos bens mais preciosos que uma pessoa pode ter.

74% escolhem a poupança como investimento. Imprevisto é a principal motivação

A pesquisa mostra que os jovens talvez tenham sido influenciados por gerações mais conservadoras no que se refere aos hábitos de investir. Embora atualmente seja um dos investimentos menos rentáveis, a poupança ainda é o mais comum entre as os entrevistados (74,1%), com larga vantagem sobre as outras modalidades: dólar (14,6%), fundos de renda fixa e fundo de ações (14,4%) e previdência privada (13,8%). Por outro lado, 22,8% dos jovens ouvidos garantem não possuir nenhum dos investimentos investigados.

A poupança também foi identificada como o primeiro recurso a ser utilizado por 38,5% dos jovens caso passem por dificuldades financeiras. Outros 20,2% mencionam empréstimos com familiares, amigos ou conhecidos, e 12,9% fariam empréstimos bancários, de financeiras ou consignado.

Em média, os entrevistados que são investidores têm a prática de poupar há mais de dois anos e o valor total médio em investimentos é de R$ 5.513,00, com valores maiores entre os homens (R$ 6.751,00), quem está na faixa etária de 25 a 30 anos (R$ 7.650,00) e pertencentes das classes A/B (R$ 7.986,00). Mais da metade dos que possuem investimentos (51,4%) não souberam informar o valor.

O levantamento mostra que as motivações para investir estão relacionadas, principalmente, aos imprevistos (29,5%), ao desejo de garantir um futuro melhor para a família (25,7%), à compra da casa (24,4%) e à vontade de viajar (22,8%). Já quem não possui investimentos argumenta que nunca sobra dinheiro (50,6%). Outros justificam dizendo que como sobra pouco dinheiro, não têm esperança de que conseguirão juntar um bom valor no longo prazo (30,5%) e 21,0% não sabem como fazer.

Segundo Kawauti, é importante entender que vale a pena economizar, mesmo que seja em pequenas quantias. “Conseguir poupar pequenos valores já é melhor do que nada. Quanto antes os jovens começarem, mais cedo poderão ver resultados. Para isso, é preciso resistir ao consumo impulsivo e estar ciente que os efeitos positivos virão no longo prazo”, explica a economista-chefe. “Na internet os jovens podem ter acesso a informação dos mais diferentes tipos de investimentos, como o tesouro direto, mercado de ações, títulos imobiliários, CDI, entre outros”.

Metodologia
Foram entrevistados 601 consumidores com idade entre 18 e 30 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais brasileiras. A margem de erro no geral é de 4,0 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *