Tendências do varejo para os próximos cinco anos

União de esforços pelo Centro
4 de setembro de 2017
SPC Brasil e CNDL mostram queda no número de dívidas atrasadas
5 de outubro de 2017
Mostrar tudo

Group of beautiful girls looking at the shop window.

Group of beautiful girls looking at the shop window.

Group of beautiful girls looking at the shop window.

A mais longa e profunda recessão que se abateu sobre o País atingiu em cheio o varejo e mudou a forma de o brasileiro consumir. Durante o 2º Simpósio de Varejo e Shopping, realizado pela Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop) em Punta Del Este, no Uruguai, em abril, apontou as cinco principais tendências de consumo que devem se consolidar no varejo até 2022. Algumas delas, já em curso, foram captadas por lojistas, que estão se adaptando às mudanças para conquistar novos mercados.

“A crise mudou o comportamento do brasileiro na hora de ir às compras”, observou a diretora do Ibope Inteligência, apontando para o avanço do consumo de produtos reciclados ou usados. Quando a economia ia bem, lembrou a especialista, o consumo estava relacionado com artigos novos. Com a crise, o produto reciclado com cara de novo vem ganhando a cena, destacou o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun.

Enquanto o volume de vendas de mercadorias novas caiu 6,1% no ano passado, a maior retração da série iniciada em 2001, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), vários sites e lojas físicas de produtos de segunda mão cresceram na faixa de dois dígitos. Além do aperto no bolso, a venda de itens reciclados foi impulsionada por uma nova visão de mundo, isto é, de um consumo mais consciente. “Reciclar é uma tendência que veio para ficar”, disse Márcia.

A segunda tendência identificada foi o avanço de consumidores com mais de 60 anos. Em 1997, essa faixa etária reunia 13 milhões de pessoas. Neste ano, 26 milhões; em cinco anos, serão 32 milhões de brasileiros com mais de 60 anos, segundo a especialista. Esse público já representa 14% da população, detém 22% da renda e é a faixa etária que mais vai crescer nos próximos 20 anos.

“O varejo trata mal esse consumidor, que tem dinheiro e tempo para gastá-lo”, observou Márcia. Como até hoje o comércio e a indústria estiveram voltados para o público jovem, salvo raras exceções, não existem produtos adequados para os que têm mais de 60 anos. “Eles querem mais do que planos de saúde e cruzeiros de navio, querem ser desafiados”.

No polo oposto, a diretora do Ibope Inteligência ressaltou o avanço do mercado infantil como outra tendência ainda pouco explorada no Brasil. Nos Estados Unidos, por exemplo, um terço das vendas da Target, a maior rede de lojas de departamento do país, é de itens para crianças. Diferentemente do passado, as crianças são hoje o centro das famílias. “Elas influenciam a decisão de compra dos pais”, afirmou Márcia. Parte dessa mudança, segundo ela, se deve ao fato de o pai e a mãe trabalharem muitas horas por dia e se sentirem culpados pela ausência.

Uma tendência importante identificada pelo estudo são os nichos de mercado. Hoje, por exemplo, mais da metade dos brasileiros (53%) está acima do peso e 18% são considerados obesos – o que significa um universo de 34 milhões de pessoas. “O varejo não faz provavelmente nada com essa informação”, alertou a especialista. Por falta de produtos feitos sob medida para esses consumidores, muitos preferem comprar em sites internacionais. “O futuro é o mercado de nicho, o varejo especializado. O consumidor não quer nada adaptado”.

A quinta tendência revelada pelo estudo – o bom atendimento – pode parecer óbvia, mas não é para muitos varejistas. Com o avanço do comércio eletrônico e das redes sociais, quando o consumidor vai a uma loja física, ele já tem muitas informações sobre o produto que deseja comprar. Por conta disso, espera algo a mais, isto é, ter uma boa experiência de compra. “O vendedor é o embaixador da marca e poucos lojistas estão preparados”, finalizou a especialista.

Fonte: Revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *